Toda campanha de marketing teve que ser repensada após o advento da internet, e isso deu oportunidade de pequenas marcas aparecerem no mesmo espaço que as grandes

 

Quem não se lembra do Orkut? Há doze anos atrás essa rede social era exclusiva, só entrava quem recebesse um convite de um amigo. Somente algum tempo depois foi liberado o cadastro livre.

Mas de lá para cá, muita coisa aconteceu. O Facebook cresceu, o Orkut foi desativado e novas oportunidades de se fazer marketing aconteceram. Profissões novas surgiram, novas redes sociais foram criadas (youtube, Instagram, Pinterest, Twitter, etc.). Os processos de analises de dados oriundos dessas redes também passaram a ter mais relevância que das mídias convencionais.

Muitos políticos montam suas campanhas eleitorais somente após mensurar dados e estatísticas das mídias digitais. O fato das pessoas exporem suas vidas como nunca fizeram antes, é um prato feito para quem quer saber das tendências do momento, de como interagir com eleitores, como um produto novo será aceito e por ai vai.

A relevância e assertividade vindo das mídias sociais, associadas às novas tecnologias, acabou ditando os acontecimentos dos anos seguintes. Algo que era impossível prever há dez anos atrás é a utilização em larga escala dos smartphones, por exemplo. Isso fez com que todos o relacionamento migrasse para outra plataforma, antes mesmo de entendermos como a internet mudou todo o jogo.

Grande parte dos sites hoje são responsivos, e a qualidade é tão grande quanto a de um site visualizado por PC’s convencionais. A dificuldade encontrada ainda é o acesso, pois temos uma internet cara e ruim, isso a nível mundial. Mas mesmo assim já registramos um crescimento expressivo tanto de acessos quanto de fechamento de negócios por mobile.

Até mesmo os bancos investem pesado em aplicativos para mobile. Consultar saldo, extrato e mandar e-mails é coisa do passado. Hoje já é possível realizar movimentações bancárias mais complexas, como transferências bancárias, pagamentos de contas e uma infinidade de coisas. E por mais que pareça surreal, só vem crescendo a utilização dos aplicativos bancários.

Outra evolução foi na elaboração de campanhas. Anteriormente, a maior parte da empresas utilizavam os dados coletados apenas para saber de sua reputação, ou seja, se estavam falando bem ou mal da empresa. Mas isso mudou, esses dados são determinantes na elaboração de campanhas, de lançamento de produtos e de até a elaboração de novos produtos.

A enxurrada de dados que são despejados diariamente faz com que as campanhas no Facebook, Instagram e Twitter sejam tão assertivas. Se você for comparar, por exemplo, com a distribuição de panfletos em sinais de transito, é muito mais barato e tem um retorno muito maior. A qualidade dos dados gerados pelas mídias sociais evoluiu muito. E com isso, as mídias sociais são tão mais interessantes.

Claro, que nem tudo é festa. Com essa utilização desenfreada dos dados pessoais de tantas pessoas, houve aumento no controle dos dados. Há seis anos atrás as regras do Facebook, por exemplo, não eram tão rígidas como são hoje. Era possível, por exemplo, uma busca de determinados conteúdos através de palavras chaves, essa busca foi limitada para não ter perda de usuários. Ninguém gosta de receber propagandas o tempo todo em sua timeline.

Com toda essa utilização desses dados, as mídias sociais passaram a ser o principal canal de atendimento para muitas pessoas. Então a importância de se ter um atendimento qualificado é essencial para justificar a utilização desses canais. Mas ficou mais fácil atender as pessoas por esses meios, pois tem todos os dados, preferências, faixa etária, localização e os dados mais importantes para um atendimento pessoal e eficiente.

Mas resta fazer a pergunta que sempre aparece ao se fazer uma campanha de marketing digital: as redes sociais são a melhor forma de divulgar sua empresa e produto? A resposta não é tão simples: depende.

Vai depender do seu público, por exemplo. Quem você quer impactar? A faixa etária vai contar muito, pois as pessoas mais velhas tentem a ser mais resistente. Vai depende também dos objetivos. Muitas empresas não entendem que estar nas redes sociais é apenas mais uma estratégia de marketing digital, e não a principal. E com isso desperdiçam verba e tempo preciosos, que poderiam estar sendo gastos em Adwords, por exemplo, ou em uma boa estratégia de SEO.

O ganho mais interessante que houve com as mídias sociais foi fazer com que as marcas ficassem mais visíveis. Antes, somente as marcas que detinham um grande poder aquisitivo é que dominavam o mercado, mas a partir do evento mídias sociais isso mudou. Não é preciso de um orçamento astronômico para se fazer conhecido, ou melhor ainda, com pouca verba fica fácil de ir atrás dos clientes que tem o perfil que sua empresa procura.

Ou seja, além de gastar pouco com publicidade você pode atingir um público mais qualificado de quem usa as mídias tradicionais que são mais aleatórias e dispersas. As mídias sociais afetaram diretamente o consumidor, mas também as grandes marcas, que pela primeira vez na história tiveram que dividir o mesmo espaço publicitário com marcas menores, que no século passado não ousariam tal ação.